15.10.09

revisão do pdm

Pode ser vista aqui a proposta de revisão do PDM.

eleições autárquicas XVIII: pdm


O autarca assegura que vai cumprir o que defendeu na campanha eleitoral. "Sempre disse que não estava de acordo com o novo PDM: tem pressupostos errados e retira consequências também erradas. Não se adequa ao estado de desenvolvimento que se pretende para o concelho", justifica. E concretiza as observações. "O novo PDM não resolve nem apresenta soluções para a resolução da habitação clandestina, não tem medidas para combater a desertificação e não resolve o problema da zona industrial de Silvalde, que é um tampão ao desenvolvimento da cidade", refere. Mais um ponto de discórdia. "Obriga a quem quiser edificar uma moradia, nas zonas rurais, a ter um lote de construção de três mil metros quadrados, situação que encarece o preço dos terrenos."

O novo presidente de câmara e ex-vereador pretende, no entanto, que a decisão sobre o novo PDM seja "célere". "É um processo que há muito devia estar concluído". A passagem dos assuntos do executivo liderado pelo socialista José Mota, que domingo perdeu as eleições, para a equipa social-democrata deve ser feita em breve. "Estamos à espera que haja uma transmissão dos dossiers, como é saudável em democracia, num processo que esperamos pacífico e cordato", sustenta.

13.10.09

eleições autárquicas (XVII): reacções

Socialista José Mota perde, por 174 votos, para o PSD



O socialista José Mota perdeu a presidência da Câmara de Espinho para o PSD por 174 votos e acabou por protagonizar a principal surpresa eleitoral do distrito de Aveiro. "Já ganhei quatro vezes. Perdi uma. A vida é assim." Foi com estas palavras que o autarca reagiu à sua derrota, em declarações ao PÚBLICO. O candidato, que foi líder da distrital socialista durante 13 anos, ocupava a presidência da câmara há 16 anos, cedendo, agora, o lugar ao social-democrata Pinto Moreira.

O candidato derrotado escusou-se, no entanto, a adiantar quais os motivos que terão levado ao resultado favorável do PSD, recusando relacionar o resultado final do escrutínio com a questão das obras de requalificação do espaço libertado pelo rebaixamento da linha férrea, que tem projecto aprovado, mas ainda não avançou para o terreno. "Só perdi porque houve mais eleitores a votar no PSD do que no PS", disse.

José Mota assegurou que é sua intenção assumir o lugar de vereador da oposição no executivo municipal. "Em princípio sim, assumirei o lugar de vereador", vincou.

"Estou extraordinariamente feliz, não por mim, mas pelas pessoas de Espinho que, de facto, mereciam uma mudança. Apresentámos a melhor equipa e o melhor projecto e a população decidiu eleger o PSD", disse Pinto Moreira ao PÚBLICO, pouco depois de discursar da varanda da câmara espinhense. O candidato vencedor foi levantado em braços e houve risos, lágrimas e muita euforia na sede do PSD. O vencedor realçou a "noite de vitória" e que o PSD tinha sido "premiado pela campanha serena e tranquila" que tinha feito. Melhorar a qualidade dos espaços públicos, requalificar os bairros sociais e incentivar a instalação de empresas de base tecnológica no município foram algumas das propostas apresentadas pelo candidato do PSD. "Candidato-me a presidente da câmara municipal para inverter o caminho da decadência que vimos trilhando em Espinho", escreveu no seu manifesto eleitoral.

eleições autárquicas (XVI)

"Estamos a zero em alguns assuntos"

"É público que ao longo de todos estes anos a Oposição teve sempre grandes dificuldades no acesso à informação, nomeadamente sobre a situação financeira e até mesmo patrimonial do município, o que faz com quem estejamos agora praticamente a zero numa série de assuntos. Não é à toa que uma das primeiras medidas que irei tomar será mesmo levar a cabo uma auditoria financeira à Câmara, isto embora sem qualquer intuito persecutório, refira-se", explicou Pinto Moreira.

As primeira medidas irão passar por parar o processo de revisão do Plano Director Municipal no qual não se revê; criar um instrumento de gestão dos vários equipamentos municipais, como a Nave Polivalente, o complexo de ténis e o Fórum de Arte e Cultura de Espinho, entre outros, o que poderá passar pela criação de uma empresa municipal e tornar os serviços de limpeza mais eficientes.

"Uma cidade que quer atrair gente, não pode se apresentar no modo que está, sem qualquer asseio", concluiu.



12.10.09

eleições autárquicas (XV)

Manuela Ferreira Leite reclama vitória

A líder do PSD salientou a vitória em câmaras “importantes” como Espinho e Felgueiras e o reforço de votação em muitos mais concelhos, como foi o caso de Lisboa, onde «podemos vencer a votação para a Assembleia Municipal».

eleições autárquicas (XIV)

Em Espinho comentam-se hoje os erros que justificam a derrota do socialista José Mota, ao fim de 16 anos de governo autárquico, e acolhe-se com cautela a vitória do PSD.


O estado da zona onde antes passava o comboio, com a consequente divisão territorial da freguesia de Silvalde, e a implementação do estacionamento pago no centro da cidade, a um preço considerado exagerado, são as duas falhas mais apontadas a José Mota.

"Em 16 anos com ele, Espinho está igual", defende o operador de logística Alexandre Sousa. "Essas histórias de ele passar muito tempo no Brasil, e de favorecer este e aquele, também não ajudaram nada", afirmou Manuel Rocha, um engenheiro civil que reside na cidade.

eleições autárquicas (XIII)

eleições autárquicas (XII)

PSD reclama vitória em Espinho

A vitória do PSD põe fim a 16 anos de governo socialista no concelho de Espinho, sempre protagonizados por José Mota, que este ano se recandidatava ao que seria o seu último mandato consecutivo.

Os elementos da candidatura do PSD já estão em caravana pelas ruas de Espinho com os seus apoiantes, remetendo para mais tarde as declarações oficiais do vencedor das autárquicas.

eleições autárquicas (XI)

Pinto Moreira vence em Espinho e quer auditoria aos executivos do socialista José Mota

O novo presidente, acompanhado do seu executivo, fez uma “invasão” pacífica dos paços do concelho de Espinho, de onde se espera que faça uma intervenção para os milhares de pessoas que se encontram no largo do município e nas ruas adjacentes.

O ambiente na cidade assemelha-se ao de um Carnaval, com as ruas cheias de gente empunhando bandeiras do PSD, CDS, BE e CDU.

Rui Torres, do PSD, presidente reeleito da junta de Espinho, cumpriu uma promessa antiga, a de que mergulharia no chafariz se José Mota perdesse a câmara. Foi, por isso, um autarca encharcado que acompanhou os novos vereadores municipais na “invasão” pacífica dos paços do concelho.


eleições autárquicas (X): mudança


Pinto Moreira é o novo Presidente da Câmara Municipal de Espinho.

Resultados por freguesia aqui.

10.10.09

reflexão


O nosso país começa a trazer à superfície gente demasiado pequena. E cuidado que isto pega-se!
Não somos todos heróis, mas somos resistentes! Temos de abrir as nossas mentes a horizontes mais largos e mais fecundos. Todos temos de fazer mais e exigir melhor. Não podemos permitir, mesmo às Instituições e aos homens que as servem, que dêem testemunho e exemplo de menoridade cívica, humana e social. (...) È certo que “dizer mal” não constrói nada. Seria excelente que todos iniciássemos um curso de auto-educação de não falar mal! Mas saibamos analisar com rigor e objectividade – com serenidade também - cada questão que se nos coloca diariamente, e pensemos no que de positivo pode ser feito. E sobretudo, o que poderemos fazer nós em grupo, em colectividade, ou mesmo, isoladamente.
Mas não podemos consentir que nos tratem como apoucados! A melhor resposta cívica é pôr mãos à obra!


Filomena Maia Gomes
no Maré Viva


aa

8.10.09

programas

Porque o que verdadeiramente conta são as ideias, atentem no excelente trabalho que o blogue Sardinha Pequenina fez, comparando os programas dos diferentes partidos concorrentes às eleições autárquicas em Espinho.
NS

autárquicas (IX)

7 de Outubro de 2009. 23h20m. O PS e a sua ruidosa comitiva (de meia dúzia) de carros apitam como se não houvesse amanhã pelas principais ruas da cidade. Zonas residenciais. Vê-se bem o respeito que estas pessoas têm por quem trabalha. Vê-se bem, aliás, quem efectivamente trabalha no dia seguinte. aa

legislativas V: resultados no concelho

PS 36,05% [7.630 votos]

PPD/PSD 31,06% [6.574 votos]

BE 9,95% [2.106 votos]

CDS-PP 9,57% [2.026 votos]

PCP-PEV 7,79% [1.649 votos]



Em branco 1.81% [383 votos]

Nulos 1.19% [252 votos]

Votantes: 67,17% [ 21.166 ]
Inscritos: 31.513

7.10.09

Uma nova face para Espinho

A visão de Espinho pelo arquitecto Nuno Lacerda. Porque vale a pena acreditar numa cidade diferente, moderna e com futuro. Espinho merece.

24.9.09

autárquicas (VIII): debates "maré viva" II



Amanhã [25 de Setembro], pelas 21h30m, debate com os candidatos à Junta de Freguesia de Anta, na sede da Associação de Socorros Mútuos.

autárquicas (VII): cdu [pela lagoa de paramos]


Conferência de Imprensa CDU, 21 de Setembro de 2009
Proposta de craição do Parque Ambiental de Paramos

O programa eleitoral municipal da CDU/Espinho propõe aos Espinhenses a criação do PARQUE AMBIENTAL DE PARAMOS, constituído pela Lagoa e pelo seu ecossistema envolvente, proporcionando circuitos de observação e alojamento para visitantes, equipando a zona com um serviço de recuperação de aves feridas ou doentes, constituindo o coração ambiental do Concelho e lançando a partir do Parque:
1. um cordão dunar (c/passadiço) – protector da costa e das suas belas praias até à zona urbana;
2.um corredor verde – abrangendo o Castro d’Ovil (a dinamizar urgentemente), a rede concelhia de moinhos de água (ainda por preservar) e respectivas ribeiras, e o Parque Desportivo da Cidade.

Pensamos que assim Espinho poderá projectar com modernidade e a imprescindível sustentabilidade ambiental o seu desenvolvimento inadiável para Sul, abrindo espaço para o turismo ambiental, renovando e melhorando a qualidade da sua estafada oferta turística.


(via e-mail,
por Carlos Humberto Cruz)

aa

um belíssimo cartão de visitas IX [ou como não há coincidências]



Eis senão quando... o Homem quis e a obra avança. aa

23.9.09

legislativas IV [be]


14.08




Na última terça-feira, dia 14 de Agosto, o Bloco de Esquerda promoveu uma arruada pela marginal de Espinho com a presença de Francisco Louçã. Nesta acção de rua foi possível o contacto de rua com a população enquanto se distribuía o Jornal de Verão do Bloco de Esquerda. (...) Francisco Louçã falava na marginal de Espinho, durante uma arruada em que conversou com os populares sobre desemprego, salários em atraso e os problemas da saúde.

legislativas III [cdu]

22.09

Jerónimo de Sousa presente no Distrito de Aveiro
O jantar seria servido em Espinho, onde a delegação da CDU foi recebida num conhecido restaurante da cidade com a presença de mais de uma centena de militantes e simpatizantes. A intervenção da noite que precedeu uma breve saudações de Jerónimo de Sousa esteve a cargo de Fausto Neves, candidato à Câmara local. Na sua intervenção, Fausto Neves levantou a ponta do véu sobre as principais linhas do programa autárquico, com destaque para a criação do Parque Biológico de Paramos.

legislativas II [psd: a maior arruada da campanha]

23.09



A presidente do PSD, Manuela Ferreira Leite, esteve hoje em Espinho, numa acção de campanha que encheu a Rua 19 daquela cidade, obrigando quem a queria acompanhar, cumprimentar ou avistar a andar aos encontrões. Num percurso que durou cerca de meia hora e em que teve a companhia de figuras do PSD como Aguiar Branco, Paulo Rangel, Castro Almeida, Manuela Aguiar, Marques Guedes, Pedro Rodrigues e Hermínio Loureiro, Manuela Ferreira Leite recebeu sucessivas mensagens de apoio. Ao longo da Rua 19, perpendicular ao mar, Manuela Ferreira Leite foi recebendo abraços, beijos e ouvindo palavras de incentivo como "boa sorte", "coragem" ou "força, doutora".

legislativas [cds: a arruada mais conturbada da campanha]

19.09


Paulo Portas esteve hoje durante a tarde em acção de campanha por Espinho. Durante a passagem pela cidade, o líder do CDS-PP foi recebido pelos populares num clima um pouco conturbado. Ainda assim, Paulo Portas disse á repórter Rita Roque que o CDS é o partido da boa disposição.

17.9.09

autárquicas (VI): debates "maré viva"


No dia 29 de Agosto o Maré Viva iniciou uma série de debates sobre as autárquicas ‘09. A primeira freguesia a discutir as ideias e projectos foi Guetim, no edifício da Junta de Freguesia. O segundo debate aconteceu a 10 de Setembro, na Junta de Freguesia de Silvalde. Hoje foi a vez de Paramos, também na Junta de Freguesia. Os candidatos a Anta e Espinho medirão forças até às eleições. Uma iniciativa louvável num concelho onde nem todos parecem estar interessados em elucidar os eleitores das suas propostas. aa

8.9.09

sem comentários

Espinho possui, felizmente, grande dinâmica blogosférica.
Um ou outro blogue, porém, condescende com certo tipo de comentários que tresandam a asco, ódio, rancor e insídia.
Nessa medida, alguns desses "comentadores" comportam-se como verdadeiros frinchas ou "voyeurs", sempre à espreita de poderem lançar o seu veneno e a sua crueldade, esquecendo-se que, de tão obcecados, acabam por deixar pistas ou rastos que permitem facilmente identificar os autores... e bem se escondem atrás do anonimato mas a máscara cai-lhes facilmente!
E para que ninguém se tente, aqui é assim: sem comentários!



no Força Espinho



Não pude deixar de esboçar um sorriso ao ler este post. O Força Espinho permite-se criticar as opções que os blogs espinhenses tomam relativamente à (não) moderação de comentários e ao anonimato dos comentadores. Até aqui nada de extraordinário. O caricato é que se trata de um blog - pasmem-se os mais incautos - "anónimo". Não consta que haja alguém chamado Força Espinho por estas bandas. Corrijam-me se estiver enganada. aa

4.9.09

biblioteca

A nova biblioteca está pronta, será inaugurada brevemente e, com toda a certeza, antes de 11 de Outubro. Não concordo com a localização, espero vir a concordar com a sua actividade e a sua dinâmica. É um espaço determinante para a cidade que não pode, de forma alguma, dar lugar a mais um Multimeios.
N.S.

2.9.09

campeão nacional?!

Tive oportunidade de ir ver a apresentação da equipa de voleibol do Sp. Espinho e só me ocorre um adjectivo para a descrever: deprimente. Já fui a "apresentações" de equipas de futebol popular mais animadas e melhor organizadas. Tudo pareceu ser feito em cima do joelho, sem haver o mínimo cuidado para dar um toque profissional à coisa, não houve "apresentação" de nenhum dos novos jogadores ao público, ninguém discursou - na verdade, também seria difícil discursar, porque o sistema sonoro do pavilhão foi quase omisso e só transmitia ruído - e faltaram entre outras personalidades, Rodrigo dos Santos (somente o presidente do clube) e o capitão de equipa Miguel Maia (estava de férias). A dada altura pensei estar a ver uma cerimónia de um clube amador, mas não, era mesmo o campeão nacional!

31.8.09

perguntar não ofende




Voltaremos a ver os típicos azulejos da antiga passagem subterrânea, tão reveladores da história de Espinho e das suas gentes, a figurar em mais algum postal da cidade?
aa

25.8.09

autárquicas (V)

Imagens de campanha. Compilação de imagens das Campanhas Legislativas e Autárquicas em 2009. Cartazes e folhetos. O melhor e o pior. Os verdadeiros e não só. Vejam nesta pequena amostra se vale ou não a pena espreitar.

23.8.09

autárquicas (IV)

Relativamente à Assembleia Municipal, são cabeças-de-lista:

Maria da Graça Guedes (PS);

Luis Montenegro (PSD);

Jorge Carvalho (CDU);

Filomena Maia Gomes (CDS-PP);

António Regedor (BE).

autárquicas (III)

Os restantes candidatos à Câmara Municipal de Espinho são Fausto Neves pela CDU, Marques Baptista pelo CDS-PP e Carlos Alberto Silva pelo BE.

autárquicas (II)

autárquicas


"Continuar a requalificação do espaço libertado pelo rebaixamento da via-férrea" e "aumentar e adequar o edifício da Câmara Municipal" para melhor responder às necessidades dos utentes e às exigências dos serviços são as suas principais propostas eleitorais.

Referindo também a nova biblioteca de Espinho, que no final de 2009 deverá abrir ao público num espaço criado de raiz para o efeito, José Mota afirma: "Queremos concluir a obra iniciada para poder consolidar o futuro".

21.8.09

um editorial diferente

Li e reli a última publicação da cidade aos quadradinhos e continuo, apesar do meu inato sentido de condescendência, sem perceber muito bem certos detalhes.
O jornal afirma-se como um veículo de informação para os comerciantes, mas resume-se a uma dúzia de publi-reportagens sobre um programa de modernização do comércio, decisivo para a sobrevivência de alguns estabelecimentos. Depois coloca-se num plano equidistante, rejeitando afinidades políticas com a autarquia mas - coisa irrelevante - concede o editorial ao presidente de Câmara. Pela primeira vez na história dos media, um autarca assina um "editorial" de uma publicação que não seja um folheto político. O editorial poderia, em alternativa, ser assinado pelo director da publicação - mas isso nem sequer é prática corrente nos jornais "a sério", então porquê inventar?! O problema é que o director da publicação é, não apenas director da instituição a quem pertence o jornal, como também dá uma ajudinha no gabinete do presidente da Câmara Municipal (o tal que assinou o editorial). Para concluir o meu afã de observações avulsas, o jornal diz-se desprovido de interesse comercial, mas está pejado de anúncios publicitários de praticamente todo o comércio que ainda sobrevive na cidade.
Imagino duas razões objectivas para que este jornal tenha sido criado e nenhuma das duas está plasmada no "editorial": a primeira é a de possibilitar a colocação de duas pedintes crónicas de emprego na nossa terra; a segunda, essa deixo para mim.

8.8.09

independências

“Se continuamos a fazer por fazer, a apresentar obra pelo simples facto de que ela tem de ser feita a qualquer preço (…) estamos a promover um desenvolvimento parcelar, fragmentado e segmentado”.


Correia de Araújo in Defesa de Espinho

O ex-candidato independente tem toda a razão. Veremos se a sua actuação nas próximas autárquicas será condizente com as palavras.

23.7.09

pequenos detalhes

Acabei de tomar um café na esplanada, subi a 23 e deparei-me com umas curiosas barreiras de segurança nas vias outrora destinadas a velocípedes. Pelos vistos, a Câmara faz intenção em fazer cumprir esse desígnio inicial, ou seja, tirar de lá os automóveis e colocar lá a malta a pedalar. Mas será que só 9 anos depois é que se lembraram de o fazer? Será que só a partir desta altura, em que o estacionamento é pago, é que faz sentido cumprir a lei? Última pergunta retórica aos estimados leitores: sem rua 2 ao fim de semana, sem metade do estacionamento na 23, onde raio é que a malta vai parar o carro em Espinho?

22.7.09

rir para não chorar

Paulo Mendes critica política de favorecimento do voleibol.

Jornal de Espinho

aa

21.7.09

bom ambiente II

Já agora, gostei de ver o levantamento popular que vi praticamente consumado no artigo do JN. Pelo menos foi o que pensei, quando li as declarações inflamadas de uma espinhense bem conhecida na rua 2, que afirmava ir cortar os cadeados e que a coisa "não ia ficar assim". Pelos vistos ficou....e ninguém levantou uma voz.

bom ambiente

A forma como a rua 2 foi fechada revela uma praxis política profundamente errada mas que, infelizmente, vai sendo norma em Espinho. Uma prática em que a comunidade não participa nos actos de decisão, não é ouvida, não é tida nem achada em relação ao que se passa - literalmente - à sua porta. Faz-se, deita-se abaixo, corta-se. Assim, sem mais nem menos, nem que seja no pior timing e com a pior desculpa do mundo. Sim...porque ninguém acredita que cortar o trânsito em apenas uma (!) rua da cidade vai produzir qualquer efeito na "qualidade do ar".
N.S.

pelo ambiente (?)

Marginal fecha ao trânsito aos fins-desemana

A Rua 2, junto às praias de Espinho, vai ser fechada ao trânsito ao fim-de-semana, durante todo o Verão, e já a partir de amanhã. A medida da Câmara, levada a cabo em prol da qualidade do ar, está a revoltar os comerciantes.

Demonstrando total desconhecimento acerca da medida que vai ser adoptada pela Câmara de Espinho, com vista à melhoria da qualidade do ar, já a partir de amanhã, responsáveis pelos vários restaurantes da Rua 2 - cuja parte aberta ao trânsito é cerca de metade da marginal da cidade -,bem como banhistas e veraneantes, mostravam-se, ontem, surpreendidos e revoltados.

O porquê de tal medida, explicou Manuel Rocha, prende-se então, com um compromisso assumido pela Câmara no âmbito de um plano de melhoria da qualidade do ar levado a cabo pela Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Norte de forma a diminuir a quantidade de partículas PM10. Além do fecho da Rua 2 ao trânsito ao fim-de-semana, a Câmara adoptou também por medida a proibição de circulação de veículos pesados de mercadorias a poente da Avenida 32. Até agora era só a partir da Rua 20 para poente.

O JN procurou saber qual a opinião do presidente da Junta de Freguesia de Espinho, Rui Torres, mas este mostrou-se tão surpreendido com a medida como todos os outros.
aa

5.7.09

dia da cidade: o estado do sítio II

Começo por lançar não um mas, os dois sapatos, a quem mandou pintar de Vermelho aquele mamarracho, perdão, aquele edifício na Mata! Se pretendem que seja património da cidade, aquele Vermelho é uma autêntica aberração não só para o zona que o rodeia mas, também, para uma cidade inteira a quem um dia alguém baptizou de “Rainha da Costa Verde”!... (...) Também lanço o sapato ao responsável, ou responsáveis, do emparedamento de todos aqueles espinhenses que a Sul e a Norte da cidade se viram como que enjaulados na sua própria casa. (...) Ainda lanço um sapato a quem inventou construir aquela estrutura nos terrenos afectos ao parque! Nada contra uma Biblioteca… outra coisa que fosse, não interessa… ali, naquele local, não, nunca, jamais devia acontecer um implante daqueles. Por vários motivos mas, o que mais me incomoda, é o «assalto» que se continua a fazer ao único espaço verde que há… que havia… no interior da cidade. Resultado: Espinho fica mais afunilado e, obviamente, com menos qualidade de vida. Henrique Sá Couto



Espinho está em declínio com a perda da indústria tradicional, da praia, lazer e até da importância como interface de transportes. (...) Há hoje uma enorme diferença de equipamentos entre a Freguesia de Espinho e o resto do Concelho.Construíram-se equipamentos sem sustentabilidade e autênticos monstros sorvedores de dinheiro necessário ao desenvolvimento equilibrado de Espinho. Da Nave não se conhece um único cêntimo de receita. Não são apresentadas contas. O Multimeios é um desastre de gestão e uma máquina de despesa para a Câmara. A Brandão Gomes, nem sequer se sabe para que serve. (...) O gasto mais criticável em que se comprometeram as contrapartidas do jogo foi o enterramento da linha. Do ponto de vista urbanístico é um erro ter separado ruas por muros. Do ponto de vista ambiental é asneira. Do ponto de vista do crescimento do Concelho é um erro, já que este se faz para Anta e não para o mar. E o pior de tudo é o crime do ponto de vista social que divide a cidade e as freguesias. António Regedor



Não me parece que o futuro da expansão de Espinho se deva restringir a zonas de vivendas para empresários ou quadros superiores (tipo Miramar), pois uma cidade para sobreviver e alimentar as suas actividades económicas precisa de uma certa massa crítica, preferencialmente mais rejuvenescida, e já vimos caminhando perigosamente para os mínimos em ambos. (...) Espinho tem mar e um casino. Apenas meia dúzia de localidades possuem ambos em Portugal, e julgo que todas cresceram e continuarão a crescer. Porquê? Espinho não cresceu porque perdeu atractividade, porque tem prosseguido políticas e práticas erradas há longos anos, que levaram a que tivesse preços de habitação absurdamente caros para a pequena cidade que é. José Serrano

As crónicas podem ser lidas na íntegra no Jornal de Espinho. aa

1.7.09

FACE: alguém terá contactado este senhor?

Trocou as corridas de motocrosse, há 30 anos, pela fotografia e pelo coleccionismo. Hoje possui o maior acervo fotográfico sobre Espinho, mas o futuro deste espólio de 80 mil películas é uma incógnita.

Da inauguração do primeiro casino à abertura da estação dos caminhos-de- ferro, os principais acontecimentos que ajudaram a fazer de Espinho, no passado, uma das mais atractivas zonas balneares do Norte do país fazem parte da colecção de fotografia de Carlos Salvador. Neste impressionante acervo particular, há também testemunhos das invasões de mar que, durante anos, fustigaram a população local ou exemplos do florescimento e posterior decadência da actividade piscatória.

O espólio não retrata apenas os tempos áureos de Espinho. Ainda hoje, Carlos Salvador faz questão de fotografar o quotidiano da cidade, sejam as obras de requalificação da linha férrea ou as festividades em honra da Nossa Senhora da Ajuda, a padroeira local.

Com 60 anos e dois enfartes recentes, o fotógrafo pensa já no futuro da colecção. Sem descendentes directos, teme que o espólio venha a ficar disperso, vítima de disputas familiares. "Gostava que isto estivesse ao serviço da cidade, mas não vejo os políticos a interessarem-se", lamenta.

O Fórum de Arte e Cultura de Espinho - na antiga fábrica de conservas Brandão Gomes - seria, à partida, o local ideal para acolher esta colecção. Todavia, apesar de o espaço estar à espera de inauguração há mais de um ano e de não existirem sequer planos concretos para a sua dinamização, Carlos Salvador reconhece com tristeza não ter sido sequer contactado pela Câmara.


JN de 24/04

28.6.09

dia da cidade: o estado do sítio

Aquando da comemoração do 36º aniversário da elevação a cidade, o Jornal de Espinho convidou algumas personalidades a escrever sobre (o estado de) Espinho. O resultado foi o que se segue. Os sublinhados nos excertos são meus. A tristeza de concordar com todos eles também. aa

Ignorar o definhamento estrutural do nosso comércio numa terra de forte pendor terciário. Pior: agravar e acelerar o seu perecimento com opções erradas e incrivelmente mal laneadas – veja-se, por exemplo, a chamada requalificação urbana. Descuidar e menosprezar a limpeza e o asseio dos espaços públicos. Descurar, em particular, as zonas de costa. Desperdiçar a localização geoestratégica, a facilidade de mobilidade rodoviária, ferroviária, marítima e aeroportuária. Desaproveitar o potencial da praia e do mar, da riqueza gastronómica, do casino, do golfe, do ténis. Enfim… Trinta e seis anos depois de passarmos de vila a cidade, estamos a perder qualidade de vida. Luís Montenegro

Todos os nossos vizinhos se souberam reinventar, combater o desemprego, gerar riqueza e ser um pólo de atractividade. Ora, tendo Espinho condições naturais únicas no seu enquadramento geográfico não está destinado a ser como as velhas famílias nobres caídas em desgraça, agoniando até ao momento final. Diogo Campos

Venci de igual modo a tentação de prospectivar o futuro de Espinho, visto não se conhecer se o poder político que governa Espinho há mais de uma década, tem ou não um plano estratégico de desenvolvimento ou se pretende unicamente governar o concelho, com uma estratégia à la carte...Teixeira Lopes

Bem sei que as coisas mudam, e que outros municípios felizmente se desenvolveram, criando também eles condições de captação de populações e gerando motivos do seu próprio enriquecimento. Mas custa-me já a aceitar que Espinho não tenha procurado sequer acompanhar os esforços dos demais concelhos, sobretudo aqueles que com ele confinam, e tenha atingido, pelo desleixo, incúria e total desinteresse, o grau de degradação a que hoje chegou. Amadeu Morais

É urgente dar início a um movimento aberto, de carácter marcadamente reformador, que rasgue novos horizontes, e que empurre Espinho para a ruptura com o marasmo actual, com o provincianismo social, com a cultura de dependência, e com a inadmissível promiscuidade entre o poder político e os múltiplos pequenos e grandes interesses instalados.Uma plataforma alargada, com objectivos declaradamente eleitorais, integrando partidos, associações e cidadãos independentes, com uma postura focada na resolução dos problemas de Espinho e dos espinhenses, alicerçada num pluralismo político que permita não ter medo de atravessar as tradicionais barreiras entre esquerda e direita e liderada por pessoas movidas pelas suas próprias convicções e não por quaisquer outros interesses, poderia criar a dinâmica necessária para inverter o declínio em que Espinho se encontra. Marques Baptista

o FACE, a luz ao fundo do túnel ou a bronca

O arquitecto Nuno Lacerda Lopes, responsável pela obra de reabilitação da antiga fábrica de conservas Brandão Gomes, agora o novo Fórum de Arte e Cultura de Espinho (FACE), abandonou, ontem [16 de Junho], a cerimónia de inauguração como forma de protesto. É que, quando visitava o espaço, na companhia de centenas de curiosos, deparou-se com alterações feitas sem o seu conhecimento.

O que havia sido projectado como "local para exposições e um dos espaços mais nobres e belos de todo o edifício", do qual sentia um grande orgulho, foi transformado num escritório de uma empresa privada da área das tecnologias da informação, a Microfil.

"Não posso ficar indiferente quando vejo um espaço como aquele transformado num escritório feio, completamente alterado com divisórias de vidro", criticou, à margem da inauguração, que foi o ponto alto das comemorações do dia da cidade. Agora, pondera uma acção contra os responsáveis, nomeadamente a Câmara, de modo a que o seu trabalho "possa ser respeitado".

Na sua reacção, José Mota, presidente da Câmara, foi peremptório: "Aquele espaço não é do arquitecto Nuno Lacerda, mas sim para o bem de Espinho". Manuel Antunes, presidente da Microfil, notou que o pólo da empresa, a inaugurar amanhã, será exclusivamente dedicado à plataforma Camões, intrinsecamente ligada aos computadores Magalhães e a base de um novo modelo de ensino. "E, quando falamos de ensino, falamos de cultura", frisou. "Além disso, vai ser um espaço altamente dinamizado, onde vamos contar com a presença de crianças todos os dias", concluiu.

JN

tiques de grande cidade VIII


Espinho não pára. É ver melhor aqui a mais recente invenção do nosso executivo camarário.

aa

27.6.09

dia da cidade, o FACE ou a luz ao fundo do túnel

Dos escombros da Fábrica Brandão Gomes, que chegou a ser o maior empregador do concelho nas primeiras décadas do século passado, nasceu o Fórum de Arte e Cultura de Espinho (FACE), espaço destinado às artes requalificado pelo arquitecto Carlos Nuno Lacerda Lopes.

Além da componente museológica, o FACE pretende albergar produção artística relacionada com o cinema de animação, multimédia e o design, bem como projectos de formação e ensino.

Concluído há mais de um ano, o renovado edifício, agora denonimado Museu Municipal de Espinho, vai ser inaugurado hoje, feriado municipal, às 10.30 horas, com duas exposições comissariadas pela Subverso Arte Contemporânea, em colaboração com a Galeria Serpente, no Porto.

JN

(via e-mail,
por Filipe Martins)
aa

FEST

Até dia 28, no Casino e no Auditório da Junta de Freguesia de Espinho.

20.6.09

dia da cidade

A 13 de Novembro de 2008, 113 de 154 professores da Escola Secundária Dr. Manuel Gomes de Almeida, em plenário, aprovam uma moção de suspensão do modelo de avaliação do desempenho docente, aprovado pelo Decreto Regulamentar 2/2008 de 10 de Janeiro. Neste sentido,

"decidem suspender todos os actos referentes ao actual processo de avaliação
de desempenho docente, em particular:
a. Não apresentando qualquer proposta de objectivos individuais;
b. Não preenchendo qualquer ficha ou grelha relativa ao processo;
c. Não elaborando quaisquer documentos especificamente orientados para este processo."

Nelson, apontas a derrota nas eleições para o afastamento da Directora da Gomes de Almeida das sumptuosas comemorações do dia da cidade. Não sei. Mas prefiro acreditar nesse argumento do que na oposição às políticas da Senhora Ministra que, segundo sei, as restantes escolas têm apoiado - e de que maneira! Desconfio que Espinho foi o concelho mais visitado pelo Ministério da Educação em toda a legislatura. Uma vez que a naturalidade deixou de ser requisito, o que desde logo não se compreende, acreditemos que o critério de atribuição das medalhas foi o trabalho realizado, sob pena desta desconsideração ser um caso manifesto de censura, a lembrar tempos que todos preferimos esquecer.

aa



19.6.09

mea culpa

Antes de mais, o meu sincero mea culpa pelo facto do CIDADE AOS QUADRADINHOS estar a perder alguma dinâmica e de, eu próprio, me ter afastado dos comentários nos últimos meses. Ao contrário de Espinho, nunca pretendemos que o blogue estagnasse no tempo, perdesse poder de intervenção e de militância, baixasse o seu nível de motivação. No entanto, outros imperativos profissionais e pessoais têm-me impedido de prestar o meu devido contributo.
Apesar de tudo, tenho-me mantido, evidentemente, informado sobre o que se passa em Espinho, acompanhado as novidades nos mais diversos quadrantes e gostaria, na semana em que a cidade celebrou 36 anos de vida, de tecer alguns comentários sobre o que observei no dia das comemorações:

Pavilhão de Anta: A obra estava pronta desde Julho do ano passado. A inauguração foi na última terça-feira e nas últimas semanas foi ver um arreliador contra relógio, numa das vias de principal acesso a Anta para concluir uma ligação eléctrica que já devia há muito ter sido feita. Timings à parte, fica a questão no ar: para que vai servir o pavilhão? A ver vamos....

FACE: Uma obra megalómana, útil a Espinho quiçá no ano 2000, aparentemente inútil no ano de 2009. A cerimónia de abertura deu raia da grossa, o que para mim não foi nenhuma novidade, uma vez que o arquitecto Nuno Lacerda já me tinha confidenciado que não havido sido tido nem achado sobre os novos rumos que o seu projecto ia tomando.

Sessão Solene no Multimeios: Um interminável bocejo que teve como cereja em cima do bolo, a grandiosa geminação com o Limoeiro do Norte. Nota positiva: a atribuição das medalhas de mérito às directoras das Escolas Secundárias de Espinho, no entanto faltou a mesma distinção à directora da Gomes de Almeida!!! Será que o facto da ex-presidente do conselho executivo da escola ter perdido as eleições para a direcção, apagou todo o trabalho que desenvolveu nos anos em que esteve à frente da instituição?

Saltaram à vista inúmeras interrogações ao longo do dia mas saltou à vista sobretudo a forma provinciana como estas coisas são tratadas em Espinho. Depois ficou a eterna promessa de mais obra, sem se perceber que “mais” não é sinónimo de “melhor”. Mais inquietante ainda é a forma como José Mota diz que as obras fazem-se quando se pode, referindo-se aos evidentes atrasos com que as mesmas foram inauguradas. Tem sido essa a sina de Espinho: faz-se quando se pode....e a maior parte das vezes faz-se mal!

18.6.09

tiques de grande cidade VII

Shopping no lugar de antiga fábrica de cordas


A antiga fábrica de cordas Corfi, de Espinho, poderá vir a dar lugar ao primeiro shopping do concelho. O projecto está ainda a ser analisado pela Câmara, mas já se ouvem vozes de contestação por parte de comerciantes.



A emblemática fábrica da família Violas, a mesma dos casinos Solverde, está localizada na Avenida 24. E, segundo o presidente da Câmara, José Mota, o projecto que está agora em cima da mesa contempla, para aquele local, um hipermercado, várias salas de cinema, uma praça da alimentação, um parque de estacionamento e a garantia da presença das mais importantes marcas.


aa

24.5.09

contabilidades



700

pessoas que foram a cada um dos passeios organizados pela CME ao Rio Douro

4

foram os passeios organizados

50

euros, é o valor médio por pessoa para aquele percurso

16

dias, durou a viagem de José Mota e representantes das junta de freguesia, ao Limoeiro do Norte

1400

euros, foi o custo por pessoa da viagem

3

dias bastaram para celebrar o protocolo da geminação

800

mil euros, foi o empréstimo pedido pela CME para pagar aos fornecedores

21.5.09

educação... parental? III

Muitos do que assistiram com satisfação à denúncia talvez não achassem tanta graça se fossem apanhados - gravados - a gabar-se do que fariam à mulher do chefe ou à filha da colega. A liberdade tem muitos preços. Teria sido mais difícil incomodar a professora recorrendo a meios legais e honrados? Talvez, mas será certamente isso que desejamos para nós, não é?

no Mar Salgado,
ainda a propósito do "caso da professora de Espinho". aa

20.5.09

educação sexual nas escolas? II

Caso da professora de Espinho debatido no Parlamento

O caso da professora da escola de Espinho que terá falado sobre sexo durante as suas aulas foi debatido esta tarde no Parlamento. O CDS-PP partiu desse caso para reflectir sobre educação sexual, o que motivou acusações de oportunismo por parte do Partido Ecologista ‘Os Verdes’, o PCP, o Bloco de Esquerda e o PS.

Antena 1

educação sexual nas escolas?

Uma professora da Escola Básica 2,3 Sá Couto, de Espinho, está suspensa e enfrenta um processo disciplinar na sequência de alegadas alusões a orgias sexuais, durante uma aula, gravadas em áudio por uma educanda. in Público

13.5.09

a verdade da crise VIII [jotex]

A administração desta empresa familiar fundada em 1975 comunicou ao pessoal que a produção ia ser suspensa entre 02 e 16 de Março "para reestruturação e obras".

Segundo Leonilde Capela, coordenadora do Sindicato dos Têxteis dos Têxteis de Aveiro, ao contrário do que tinha dito aos trabalhadores, a administração da empresa apresentou no mesmo dia em tribunal um pedido de insolvência. No dia seguinte, os trabalhadores detectaram que estavam a ser removidas máquinas e impediram a sua saída da fábrica, através de uma vigília permanente.

"Parece que pretendiam abrir uma empresa em nome de um neto, mas não sabemos se vão abrir ou não (...)".

no Expresso

a verdade da crise VII [jotex]

O Tribunal do Comércio de Vila Nova de Gaia declarou hoje [12 de Maio] insolvente a empresa de malhas Jotex, de Espinho.

Fundada em 1975, em Espinho, a empresa familiar Jotex era conhecida pelos seus artigos de qualidade. Com 60 trabalhadores, esteve em funcionamento até ao passado dia 27 de Fevereiro, quando a administração da empresa comunicou aos funcionários que a produção ia ser suspensa de 2 a 16 de Março. No dia seguinte, os trabalhadores detectaram que estavam a ser removidas máquinas e impediram a sua saída da fábrica.

Os últimos números conhecidos apontam para uma facturação de 1,2 milhões de euros em 2007, ano em que apresentou 400 mil euros de prejuízos.

Jornal de Negócios

revista nova águia

A Revista “A Águia” foi uma das mais importantes revistas do início do século XX em Portugal, em que colaboraram algumas das mais relevantes figuras da nossa Cultura, como Teixeira de Pascoaes, Jaime Cortesão, Raul Proença, Leonardo Coimbra, António Sérgio, Fernando Pessoa e Agostinho da Silva.
A NOVA ÁGUIA pretende ser uma homenagem a essa tão importante revista da nossa História, procurando recriar o seu “espírito”, adaptado ao século XXI.
Sábado dia 16 de Maio’09 pelas 15.30 horas na Biblioteca Municipal, será apresentado o terceiro número tendo como destaque “O legado de Agostinho da Silva, 15 anos após a sua morte”.

no Ler em Espinho

sce: boas notícias



7.5.09

olé II

Se estiver contra as alegadas touradas de Julho em Espinho, diga ao Presidente.

6.5.09

pouca vergonha



O descaramento com que o comentador afirma que Adriano Lamb "é o primeiro a ser agredido", é absolutamente repugnante. As imagens mostram exactamente o contrário, ou seja, quem dá início à selvajaria que reinou na Nave Desportiva, é o jogador do Guimarães ao agredir o tal adepto espinhense. Depois obviamente houve uma reacção dos adeptos do Espinho à qual os vitorianos responderam com...arremesso de cadeiras. Bárbaro e escandaloso. Atletas com dois metros de altura a agredirem tudo aquilo que mexia na bancada do Espinho, perante a incapacidade das forças policiais para travar a situação.
Não há desculpáveis nesta história. Tanto os comportamentos dos jogadores do Guimarães, como as provocações dos adeptos do Espinho são totalmente reprováveis, no entanto, toda a situação poderia ter sido evitado se existisse um policiamento adequado a um jogo com o risco que este encerrava. Aqui as culpas estão claramente identificadas.

1.5.09

Campeões Nacionais

SCE 3 - 1 VSC


Sporting Clube de Espinho sagra-se campeão nacional de voleibol...






... e, ao que tudo indica, despede-se do melhor jogador português de todos os tempos.



Miguel Maia


29.4.09

olé

Vão realizar-se este ano em Julho duas corridas de toiros na cidade de Espinho, onde existiu sempre grande afición pela Festa Brava e onde o saudoso Manuel dos Santos chegou a gerir uma praça semi-fixa - soube o "Farpas" junto da entidade que as organizará.
As corridas serão nos dias 12 e 25 de Julho e, segundo apurámos, estão já contratados Rui Salvador, Batista Duarte e Gilberto Filipe e os Forcados de Vila Franca e Aposento de Tomar para a a primeira corrida; João Salgueiro, Batista Duarte e a espanhola Maria Saray, bem como os Forcados de Alcochete e Aposento de Tomar para a segunda.

in Farpas


Cuidei que fosse mais uma anedota sobre o burgo, mas pelos vistos a coisa vai acontecer mesmo! As touradas estão de regresso a Espinho, por inciativa de meia-dúzia de saudodos dos tempos da festa brava. Aí está o Verão que Espinho merece...com festa da cervejola e touros de lide. Vai ser uma alegria!!!

27.4.09

25.4.09

quando o verniz estala

Esta semana ficou a saber-se, em plena fase final do campeonato, que os jogadores de Voleibol do S. C. Espinho tinham vários meses de salários em atraso. Consequência de um um corte substancial das verbas dos patrocinadores - Delta e Solverde - mas, seguramente também, do facto de haver muita gente que dirige a secção a olhar, mais para si, do que propriamente para a sobrevivência da modalidade que mais títulos e prestígio garante ao clube.
Esta revelação leva-me a temer o pior no final da época. Se a taça não vier para o lado de cá, muita mais roupa suja se vai lavar em público e muito mais vai acontecer.

23.4.09

lá no gueto

As intenções políticas de quem levantou a questão - peregrina e mundividente - dos estendais no bairro piscatório, são por demais conhecidas. Para quem, como eu, visita assiduamente aquela zona da cidade durante todo o ano (e não somente de quatro em quatro anos), torna-se no mínimo redutor falar em estendais, ao observar a sua penosa degradação. Os problemas do bairro são muito mais profundos e bem menos paroquiais do que esse.
Nos últimos anos, pelo menos duas grandes obras, estruturantes do ponto de vista urbanístico, passaram ao lado do bairro piscatório: a requalificação da marginal sul e o rebaixamento da linha-férrea. Se o primeiro caso ainda poderá ter solução (embora ela não seja para breve e duvido que, quando chegar, vá adiantar alguma coisa), no segundo, trata-se de um atentado urbano que hipotecou por muitos e bons anos o desenvolvimento daquela povoação e, pior do que isso, que a guetizou por completo. Hoje a zona mais tradicional da cidade, o pequeno núcleo habitacional que outrora deu origem a Espinho, que albergou a maior indústria de conserva do país, que mantém laços de identificação muito fortes com o mar e com a pesca (também estes votados ao esquecimento pelo poder político); não passa disso mesmo: um gueto. Marginal, soturno, degradado e esquecido. Olhamos aqui ao lado e vemos o que o concelho de Gaia fez com o seu "bairro piscatório": a Afurada é hoje um lugar aprazível, limpo e organizado que soube reciclar e potenciar as suas tradições. Olhamos ainda mais a Norte e vemos o que Vila do Conde e a Póvoa fizeram nas Caxinas...em Espinho interessa mais acautelar os interesses do final do mês!

18.4.09

campeonato nacional A1 de voleibol - 1º


SCE 3 - 2 VSC

Próximo jogo: dia 25 de Abril, às 15h, em Guimarães.

25.3.09

imperdível


"A Outra Cor das Coisas",

pela Oficina de Teatro de Espinho

27 de Março, pelas 21h30m,

no Auditório da Junta de Freguesia de Espinho

19.3.09

tiques de grande cidade VI [ou um executivo visionário]



80 cêntimos é quanto custa uma hora de estacionamento a partir de hoje em Espinho. temos os parquímetros mais caros do país. E pelos vistos era suposto estarmos agradecidos. Afinal, marcarmos a tendência nos preços dos parquímetros a nível nacional. Já é qualquer coisa...
É estranho que o Presidente da Câmara tenha necessidade de justificar a tarifa quando, segundo diz, a decisão nem foi camarária, mas da empresa concessionária. Ainda para mais com uma argumentação tão falaciosa quanto caricata, como que a dizer, "a minha concessão é melhor que a tua".
aa

tiques de grande cidade V - aí estão eles


As ruas do centro de Espinho passam, esta quinta-feira, a ter estaciona-mento pago a 80 cêntimos por hora, numa medida com que José Mota, presidente da Câmara, pretende "criar mobilidade e ajudar o comércio local".
A medida "foi pensada em articulação com os dois parques de estacionamento subterrâneo" que a autarquia pretende construir junto ao Centro Multimeios e à Igreja Matriz. "Além disso", recorda José Mota, "também vai haver uma nova área de estacionamento junto ao casino" (no âmbito das obras de reconversão da superfície antes ocupada pela linha férrea do Norte) "e toda a zona do mercado semanal continua a funcionar como parque gratuito".

17.3.09

"Não há pior analfabeto que o analfabeto político. Ele não ouve, não fala, nem participa dos acontecimentos políticos. O analfabeto político é tão burro que se orgulha de o ser e, de peito feito, diz que detesta a política. Não sabe, o imbecil, que da sua ignorância política é que nasce a prostituta, o menor abandonado, e o pior de todos os bandidos que é o político vigarista, desonesto, o corrupto e lacaio dos exploradores do povo."

Bertolt Brecht

a verdade da crise VI

A propósito do post do André sobre a Jotex e a luta de classes, e na sequência do que aqui se conta, relembro o exemplo da fábrica argentina de mosaico cerâmico FaSinPat.

no 5 Dias

16.3.09

a verdade da crise V [jotex]

A 27 de Fevereiro, a administração informou os trabalhadores que a produção iria ser suspensa até 16 de Março. Mas nada faria supôr, que no sábado seguinte, a administração fizesse deslocar ao local um conjunto de camiões para remover a maquinaria. Isto apesar da empresa estar em plena produção e possuir uma carteira de encomendas preenchida. Os trabalhadores rapidamente se mobilizaram e dirigiram ao local da empresa com o fim de impedir, onde vieram a encontrar um destacamento policial para garantir o carcomer da empresa, para os empresários poderem vender o capital fixo da maquinaria e re-investirem noutro sector, noutro pais, ou simplesmente saldarem dívidas por si acumuladas noutras actividades. Os 60 postos de trabalho e o contributo para a produção têxtil nacional que se dane. Passados mais de quinze dias, os trabalhadores da Jotex, na sua maioria mulheres, continuam firmes na intenção de não abandonarem as portas da empresa. Os trabalhadores querem garantir que as máquinas não serão vendidas antes de serem assegurados e pagos os seus direitos e realizada a assembleia de credores. Contrariamente ao que antes afirmara aos trabalhadores (que se tratava apenas de uma suspensão de produção), a administração apresentou um pedido de insolvência.



no 5 Dias

14.3.09

a verdade da crise IV

A taxa de desemprego passou a barreira dos 10% em 12 concelhos portugueses, dos quais sete são do Norte do país. Mesão Frio, Espinho e Santo Tirso destacam-se com as taxas de desemprego mais elevadas, em contraponto com Melgaço, São Brás de Alportel e Oleiros, que têm as taxas mais baixas.

A percentagem de desemprego face à população em idade activa igual ou superior a 10% nota-se com maior relevo no Norte do país. No concelho de Mesão Frio o desemprego atingiu os 12,9%, em Espinho a taxa é de 12,85% e em Santo Tirso é de 12,5%.
A realidade no Sul do país é mais positiva. Na capital a taxa de desemprego é de 5,9%, enquanto que no Porto, por exemplo, é de 8,9%, informa a TSF com base num ranking nacional que reúne os 278 concelhos.

Os concelhos com as mais baixas taxas de desemprego são Melgaço (2,6%), São Brás de Alportel (2,5%) e Oleiros (2,1%). Em Oleiros, em Janeiro deste ano estavam inscritos no Instituto de Emprego e Formação Profissional apenas 70 desempregados.

TSF

(via e-mail,
por Ricardo Prata)
aa

o desplante

José Pinho veio à Assembleia Municipal utilizar o período destinado à intervenção do público, para pedir "com urgência" ao presidente da Câmara Municipal a retirada da tenda que, há uma semana, acolhe os trabalhadores da Jotex em protesto contra a absoluta imoralidade cometida pela administração da empresa. As razões do ex-candidato por Espinho (que é casado com a filha do patrão da Jotex): "Incomodam a minha actividade profissional", afirmou. Será necessário dizer mais alguma coisa?

10.3.09

boas medidas

"A Assembleia Municipal de Espinho, do passado dia 4 de Março, aprovou uma recomendação do Bloco de Esquerda que delibera solicitar à Câmara Municipal de Espinho que seja elaborada, e enviada à Assembleia Municipal, a listagem dos imóveis devolutos, degradados e arrendados para que, em momento próprio esta Assembleia esteja de posse da informação necessária para em consciência poder deliberar sobre as taxas do IMI. (...) A razão da criação do IMI baseia-se predominantemente no princípio do benefício. (...) tem todo o sentido que a ocupação por imóveis do espaço público se traduza numa compensação tributária à comunidade.O IMI pode ser também um instrumento importante na política de urbanização, ocupação e conservação do património construído."

(via e-mail,
por António Regedor)
aa

5.3.09

Isto é que vai uma crise

Tive oportunidade de assistir, ainda que parcialmente, à sessão de abertura do congresso do PS e não pude deixar de reparar (creio que todos sentiram o mesmo), no verdadeiro ambiente de opulência que se vivia no exterior. Dos discursos do nosso primeiro, além de brilhantes clichés como "o povo é quem mais ordena" - um soundbyte que cai sempre bem à hora do telejornal - não se ouviu uma única referência à grave situação económica e social que se vive no país. Mas também se percebe que quem se faz deslocar nos carros que estavam estacionados na Nave Polivalente, quem deambula pelos corredores do congresso de charuto na boca, quem se instala nos melhores hotéis da cidade de Espinho e não só; pouco ou nada deve conviver com a crise, nem quer saber disso para nada. A crise é dos outros, dos que nunca se filiaram nos jotinhas para farejar o poder, daqueles que não andam de Jaguar, Audi e Aston Martin (vi dois pelo menos), daqueles que não participam em congressos partidários, daqueles que no fundo têm de lutar todos os dias para conquistar o seu espaço, o seu emprego e o seu futuro. A crise, defintivamente, não passou por ali...
N. S.

4.3.09

(ainda o) congresso do PS XI

É impressão minha ou, ao contrário do que seria de supor e do que rezam os costumes, o Presidente da Câmara da cidade anfitriã não discursou?

espinho aos olhos dos outros

José Mota, presidente da câmara de um concelho incrivelmente caótico, esburacado, com prédios a cair e praias destruídas, teve o seu grande momento de brilho no congresso do PS: os trabalhos foram interrompidos por causa de um "apagão".

No Correio Preto

2.3.09

a verdade da crise III

As visões (possíveis) da mesma realidade:

a verdade da crise II

Os trabalhadores, na sua maioria mulheres, mobilizaram-se e conseguiram impedir o transporte das máquinas, obrigando a empresa a descarregar os camiões e a colocá-las de novo na empresa.

Apesar de terem sido mandados para casa, decidiram apresentar-se nos seus postos de trabalho hoje, dia em que está prevista uma reunião entre a gerência e o Sindicato Têxtil de Aveiro (STA)."Esta paragem não foi devidamente explicada. Não sabemos exactamente qual o seu enquadramento legal, porque há versões diferentes. Só a custo garantiram que seria sem perda de vencimento e com compensação de dias", declarou Leonilde Capela, coordenadora sindical.

Apesar de alguns problemas financeiros decorrentes de dívidas à banca e Segurança Social, a Jotex, com quase meio século de laboração, tem garantido o pagamento dos salários e uma boa carteira de encomendas. O depositário das 21 máquinas penhoradas, Manuel Oliveira, deu conta da existência de cobranças coercivas na ordem dos três milhões de euros, em grande parte movidas pela Segurança Social.

Para a União dos Sindicatos de Aveiro, a Jotex estará a "utilizar a crise" para despedir e retirar direitos aos trabalhadores.

Diário de Notícias

a verdade da crise



28.2.09

congresso do PS VII

Redondamente enganados. Se nem a vinda do Partido do Governo à cidade impulsionou o início das obras, temos um problema substancialmente mais grave (e moroso) do que pensávamos.

congresso do PS VI

Pergunto-me se haverá alguma criatura na cidade que não saiba o caminho para o Congresso Socialista. Nem o mais incauto dos transeuntes escapa a esta campanha negra, perdão, rosa.

congresso do PS V [ausências de peso]

Afinal, apesar do convite do PS ao Partido Socialista Unido da Venezuela fazer-se representar no congresso socialista, Hugo Chavez optou por não mandar ninguém a Espinho. Mas está cá o Partido Comunista chinês e o MPLA a representar o socialismo real. Pelo menos isso.

31 da Armada

congresso do PS IV [ausências de peso]

Não é só a ausência de Alegre que é sentida. É a ausência dos representantes desse outro grande partido da esquerda democrática - o venezuelano. É muito feio prometer e não cumprir.

31 da Armada

congresso do PS III



O lugar do Congresso, segundo o 31 da Armada

congresso do PS II

Na Nave Desportiva de Espinho. Dos poucos eventos que a sumptuosa infraestrutura recebeu.

congresso do PS I




19.2.09

Os jornaleiros


Não me considero um jornalista. Embora escreva em jornais há cinco anos, seja licenciado em jornalismo, me interesse pela profissão, procure aperfeiçoar-me todos os dias, ser cada vez melhor profissional… não sou (nem sei se algum dia me poderei considerar) jornalista.
Não posso, no entanto, deixar de olhar com absoluto menosprezo outras pessoas que, como eu, trabalham em jornais mas que não fazem aquilo que acima descrevi. Pessoas que não se aperfeiçoam, que não evoluem, que estão estagnadas cultural, mental e profissionalmente. Aqueles jornalistas que mais não são do que empregados de escritório, incapazes de levantar um músculo que seja para procurar a notícia, que copiam aquilo que os jornais da concorrência publicam, que fazem jogos de bastidores para prejudicarem o seu congénere, tentado obstruir-lhe a informação, que se limitam a publicar aquilo que do ponto de vista comercial lhes pode trazer benefícios, no fundo, aqueles jornalistas que não fazem jornalismo. Essa gente incomoda-me profundamente.
Incomoda-me sobretudo a ideia de que essas pessoas, a quem prefiro tratar por jornaleiros, se coloquem na posição de criticar quem pretende fazer algo de diferente, de quem não está aqui para prejudicar ninguém, antes tentar refrescar o panorama informativo local, quem em última análise procura fazer algum jornalismo.

procura-se

"Mas, o que Espinho precisa é de um candidato que resolva alguns dos problemas que afectam ou vão afectar a vida das populações e para os quais ou não se sabe a resposta ou as respostas e soluções estão no silêncio dos corredores do poder.
Um candidato que tivesse exigido a realização das obras na rotunda do IC24, que dificultam e entrada e saída de trânsito na cidade, um candidato que explicasse ao povo para que serve o FACE e para quando a sua entrada em funcionamento, um candidato que exigisse o cumprimento do prazo de construção da Biblioteca Municipal e do respectivo equipamento, um candidato que pusesse fim às construções clandestinas na praia de Paramos e resolvesse esse problema, que se arrasta sem solução há tantos anos, um candidato que face ao descontentamento daqueles que vão ser afectados, reveja o regulamento geral das zonas de estacionamento limitado e do respectivo preço, etc."

Teixeira Lopes

A coluna do Professor Teixeira Lopes no renovado Maré Viva indica claramente o caminho a seguir. Urge encontrar um candidato próximo da realidade social da população, atento às efectivas necessidades da cidade e não afecto aos interesses de concessionários e a obras de utilidade duvidosa. Alguém por aí?
aa

30.1.09

obras na esmga

A Escola Secundária Dr. Manuel Gomes de Almeida está em obras. Obras de grande envergadura, por sinal. Miúdos e graúdos não têm hoje qualquer recinto, aberto ou fechado, destinado às aulas de Educação Física.

A solução tem passado por dividir as turmas dos diversos anos por infraestruturas que garantam as condições básicas à prática do exercício físico. Conclusão: os alunos têm sido encaminhados para a Piscina Municipal, a Nave Desportiva e o pavilhão do Sporting Clube de Espinho. Até aqui tudo bem. O problema é que a Escola garante o transporte à ida, mas já não no regresso.

Não me parece de todo sensato, sobretudo para quem tem aula de Educação Física nos últimos tempos da manhã ou da tarde. Reporto aqui esta situação, porque me parece inadmissível. E porque em casa tenho dois alunos que se vêm obrigados a percorrer uma distância considerável a pé, ao frio e de noite até casa. Sei, no entanto, que o Conselho Executivo já foi alertado, pelo que se espera que nos próximos dias a questão fique resolvida.
aa

28.1.09

tiques de grande cidade III

Estacionar no centro da cidade de Espinho vai passar a ser pago e não sairá nada barato a moradores, trabalhadores e visitantes. É que os automobilistas irão ter de pagar 80 cêntimos por hora, um valor superior ao cobrado no Porto ou em Lisboa.

Jornal de Notícias

27.1.09

Estes putos de vinte e tal anos...

Confirma-se estimado leitor: não mentimos!!! Não menti, não emprenhei nada pelos ouvidos que não os seus insultos gratuitos, insolentes e despropositados, procurei a verdade e - surpreenda-se - encontrei-a, tal e qual me tinha sido contada há uma semana atrás. Pelos vistos quem falou MENTIRA foi o senhor João Simões (ou será António Gonçalves, ou será Bobo da Corte?) como o documento acima publicado o demonstra:

1 - Logo na primeira frase o formulário refere-se “à construção do novo estádio”, pelo que o senhor mentiu ao dizer que, aquele documento, “em nenhum momento fala de contribuição para o estádio”.

2 - O documento fala de um “novo cartão”, mas não fala de qualquer tipo de actualização como o senhor refere. Ele fala de uma "renumeração" dos sócios, que como se sabe é uma condição burocrática sine qua non para que avance a construção de uma infra-estrutura desportiva, como um estádio de futebol. Seguramente, no caderno de encargos da empresa responsável pela construção, estaria expressamente indicada a “renumeração” dos associados do clube.

3 - Afinal o que eu disse nas entrelinhas - “Os sócios do S.C. Espinho foram convidados a contribuir com 5 euros - incluídos numa taxa de actualização do seu cartão - para o arranque da construção do Estádio” - parece acertado e não está ali qualquer mentira.

4- A chamada "renumeração" não chega nesta altura por acaso, e o senhor sabe-o tão bem, ou melhor, do que eu. Além disso, o valor exigido aos associados é ridiculamente exagerado e todos sabemos a que fins ele se destina.

5 - A pessoa que me contou esta alarvidade, teve a gentileza de me fornecer o cartão que comprova tudo aquilo que eu disse. Não tinha qualquer obrigatoriedade em confirmar a informação, mas fi-lo para desmentir categoricamente as suas afirmações. Terei, neste caso, prestado um bom serviço à cidade?

6 - A sua conversa paternalista e pateta ofendeu-nos, evidentemente. Não há idades para se ser responsável nas opiniões, nos valores e nas acções e pelos vistos, os jovens de vinte e tal anos, descobriram-no mais cedo que o senhor.

7 - Vamos continuar a publicar aquilo que consideramos pertinente, sem nos deixarmos afectar por charadas gratuitas e ameaças bacocas, como as suas.

Gostamos de Espinho, tanto ou mais do que o senhor, e é por isso que nos revoltam certas atitudes de muitos dirigentes de associações, organismos públicos e outras instituições, que a destroem, desacreditam e desvalorizam. E como remamos contra a maré, nas opiniões, também não vamos ceder nas acções, e “envolver-nos”, como sugere, em ambientes que estão profundamente inquinados, cheios de gente oportunista, bajulenta e ambiciosa.